Transplante de Ilhotas Pancreáticas

01.- Há restrições quanto à indicação do transplante de ilhotas?

Sim. O transplante de ilhotas pancreáticas não está indicado a todos os casos de diabetes. Há situações em que apenas o transplante completo do pâncreas é o tratamento adequado; algumas vezes, é necessário o transplante duplo de pâncreas e rim. 
É o médico endocrinologista, que trata do diabético, quem deve fazer a indicação.

02.- Como é feito o transplante?

A técnica desse tipo de transplante consiste na separação das células das ilhotas do pâncreas de, pelo menos, 3 doadores cadáveres. Essas células recebem um tratamento em laboratório para que possam ser transplantadas no receptor diabético. 
O transplante propriamente dito é feito com injeção dessas células numa veia do fígado do receptor.

03.- Há riscos de rejeição?

Como todo e qualquer transplante, o risco de rejeição existe, apesar de ser menor que no transplante de órgão. Portanto, após o transplante o paciente tomará medicamentos para evitar a rejeição (chamados imunossupressores).

04.- Quem pode receber esse tipo de transplante?

Maiores de 18 anos e diabéticos que não tenham os rins afetados pela doença.

2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700