Saúde do idoso

Confira aqui dicas de saúde para a melhor idade

Video exibido no Fantastico demonstrando as alterações que ocorrem no organismo nessa fase da vida.

Qual a importância da realização de exames periódicos de saúde no idoso?

“Todas as pessoas devem submeter-se a exames periódicos para vigilância da saúde, apenas variando com a idade e o sexo, a periodicidade e o conteúdo dos mesmos exames. No indivíduo idoso os exames periódicos de saúde têm como objetivo a promoção e manutenção da saúde e qualidade de vida, através da identificação de problemas específicos desta faixa etária.”

Com que periodicidade deve uma pessoa idosa ser observado pelo seu médico assistente?

A periodicidade com que uma pessoa de mais de 65 anos deve ser observada pelo seu médico assistente depende do seu grau de saúde. Se estamos perante um indivíduo idoso sem doenças crónicas que impliquem um acompanhamento específico (como, por exemplo, a hipertensão e a diabetes) é aconselhável a realização de um exame anual para avaliação do seu estado de saúde.

Nos exames periódicos podemos fazer testes de rastreio para todo o tipo de doenças?

“Não. Os exames feitos para rastreio de doenças que ainda não apresentam sintomas só têm utilidade quando da sua aplicação resultam ganhos em saúde.
Para que um teste de rastreio seja eficaz tem de cumprir os seguintes critérios:
· doença que se pretende diagnosticar deve ser potencialmente grave e relativamente frequente na população.
· deve existir um tratamento eficaz cuja aplicação nas fases iniciais da doença melhore a sua evolução.
· o teste tem de ser aceitável em termos de custos e não ser demasiado incómodo para o paciente, de forma a poder utilizar-se de forma rotineira.
Os indivíduos saudáveis, sem fatores de risco específicos, beneficiam mais com o aconselhamento sobre comportamentos saudáveis e estilo de vida, do que com a realização indiscriminada de
exames de rotina, pois o número de doenças cujo rastreio oferece ganhos em saúde comprovados é relativamente pequeno.”

Quais são os principais fatores de risco a avaliar num paciente com mais de 65 anos?

“Os principais factores de risco que o médico deve avaliar e discutir com um paciente que tem mais de 65 anos são:
1. Polimedicação
Os doentes idosos têm com frequência uma diminuição das suas funções real e hepática devido ao envelhecimento dos órgãos; isso faz com que tenham uma capacidade reduzida de metabolização
dos medicamentos, aumentando o risco de aparecimento de efeitos secundários.
2. Abuso de álcool
Sabemos que o abuso de álcool tem efeitos prejudiciais conhecidos sobre a saúde em qualquer idade. Nos idosos, além de poder causar doenças hepáticas, gástricas, cardíacas e neurológicas,
vai agravar problemas específicos do envelhecimento, como o risco de quedas, a diminuição das defesas do organismo por enfraquecimento do sistema imunitário e a deterioração das capacidades
mentais.
3. Tabagismo
O tabagismo é uma das principais causas de morte, pelas doenças que origina (bronquite crónica, cancro do pulmão, doenças cardio vasculares, etc.).
Os benefícios do abandono do tabaco estão demonstrados mesmo nos idosos e nos doentes que sofrem de doenças crónicas relacionadas com o tabaco.
4. Hábitos alimentares
Os hábitos alimentares condicionam problemas de saúde como a diabetes, a obesidade e as doenças cardiovasculares em todas as idades – doenças essas que se tornam mais frequentes com o envelhecimento.
Devido a problemas económicos, à diminuição das capacidades motoras e ao isolamento em que por vezes os idosos se encontram, a subnutrição é também um problema comum no idoso.
5. Vida sedentária
O sedentarismo típico dos hábitos de vida da sociedade atual contribui para o aparecimento e agravamento de doenças como a osteoporose, a diabetes e os problemas cardiovasculares. No idoso, com alterações do equilíbrio e da marcha associadas ao envelhecimento, há tendência para reduzir ainda mais a prática de exercício físico, criando um ciclo vicioso de diminuição da atividade e autonomia, com perda da qualidade de vida.
6. Acidentes de transito
Os acidentes de viação são uma causa importante de mortalidade, mais frequente nas idades jovens que no idoso. No entanto, é importante avaliar os riscos da condução quando há diminuição da visão e audição, alertar para os riscos da condução após ingestão de álcool e a importância do uso de cinto de segurança.
7. Fatores associados a quedas
As quedas são uma causa importante de morbidade (doença) e mortalidade no idoso. Nos exames de saúde, o médico deve investigar e prevenir, na medida do possível, a existência de fatores de risco que aumentem a probabilidade de ocorrência de quedas. Deve estar particularmente atento aos fatores de risco que podem ser modificados, como o uso de determinados fármacos, a polimedicação, as alterações da visão e os fatores ambientais no local de residência do idoso.
8. Ausência de suporte familiar e social
O isolamento social e a falta de uma rede de suporte de apoio ao idoso são fatores de risco que devem ser avaliados, pois podem conduzir a situações de desnutrição, degradação física,
depressão e suicídio.”

Há testes de rastreio que devem ser propostos a indivíduos com fatores de risco específicos?

“Sim. Por exemplo, a tuberculose, as doenças sexualmente transmissíveis incluindo a aids e a sífilis, o cancro do cólon e reto e outras doenças, não devem ser rastreadas em todos os indivíduos, por não haver vantagem nisso, mas apenas quando o médico identifica fatores de risco individuais.
Nos exames de vigilância dos idosos, o médico deve ainda ter em atenção sinais indicativos de deterioração das capacidades cognitivas e do comportamento, para aplicação de testes de despiste precoce da demência ou para diagnóstico da depressão. Estes testes não precisam de ser aplicados de forma generalizada a todos os idosos, mas apenas quando há suspeita de doença.”

Há outro tipo de problemas que podem ser discutidos nas consultas de vigilância?

“Sim. O médico deve estar disponível para discutir com o paciente todo o tipo de questões que afetam a sua saúde ou bem estar. No idoso, as questões relacionadas com a sexualidade, a incontinência urinária, a alteração dos hábitos de vida com a passagem à reforma e perda do cônjuge são problemas importantes cuja abordagem pode ser feita nas consultas de vigilância.”

Quais são as vacinas que os idosos devem atualizar periodicamente?

As vacinas que os indivíduos com mais de 65 anos devem manter actualizadas são: a vacina anti-tetânica, que tem de ser efetuada de dez em dez anos para que haja imunidade contra o
tétano; e a vacina contra o vírus da gripe que necessita de ser aplicada todos os anos.

Que tipo de exames são desnecessários nos exames periódicos de saúde, na ausência de sintomas ou fatores de risco específicos?

Há uma série de exames que não trazem ganhos em saúde quando realizados «por rotina», na ausência de fatores de risco ou de suspeita médica de doença . Entre estes exames estão as análises de sangue e urina realizadas de forma indiscriminada, o eletrocardiograma na ausência de fatores de risco ou suspeita de doença cardíaca, os exames radiológicos aos pulmões para despiste de cancro do pulmão ou tuberculose a pacientes que não têm sintomas e não são de risco.

2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700