Refluxo gastro-esofágico

Refluxo gastro-esofágico é o retorno do conteúdo do estômago para o esófago, podendo chegar á boca. Provoca sensação de ardor e azia.

Origem

O esófago mede aproximadamente 25 a 30cm. Na extremidade junto do estômago existe um esfíncter (cárdia) que abre para permitir a passagem dos alimentos e fecha para evitar o seu retorno. Se este músculo não está bem desenvolvido ou não tem força para comprimir na totalidade o esfíncter, os alimentos misturados com o ácido do estômago retornam ao esófago.

Outros factores que podem desencadear refluxo ao enfraquecer o esfíncter são comer excessivamente nas refeições, álcool, nicotina, cafeína, alimentos gordurosos e alguns medicamentos.

Diagnóstico

O médico consegue fazer o diagnóstico através dos sintomas descritos pelo paciente.

O médico pode pedir um Rx ou uma endoscopia digestiva para observar possíveis lesões, hérnia ou realizar uma biópsia.

O médico pode também pedir outros exames para avaliar o ph na zona do esfíncter (pHmetria) ou a pressão interna do esófago (manometria).

Sinais e sintomas

Geralmente, todas as pessoas com refluxo, referem ardência (pirose) no esófago (zona entre a boca e o estômago). Esta queixa pode piorar com movimentos que comprimam o estômago como por exemplo, dobrar para a frente e deitar após as refeições.

Pode haver queixa de dor no peito, que pode ser confundida com um enfarte, angina de peito, doença óssea, muscular, etc. O médico pode considerar recorrer a exames como o ECG (electrocardiograma) e RX para despiste de algumas doenças e confirmar o diagnóstico.

A saliva ao ser engolida pode aliviar o ardor porque funciona como um neutralizador natural do ácido do estômago. Este acto conduz ao aumento da produção de saliva (sialorreia), devido a haver um aumento do número de vezes que esta é engolida.

Não é frequente o refluxo ser acompanhado de vómitos e enjoos. Os acessos de tosse forte podem desencadear refluxo.

Pode também provocar rouquidão, tosse, irritação da garganta e crise de asma. O conteúdo do estômago é ácido e em contacto com a mucosa do esófago pode provocar dor (odinofagia), dificuldade (disfagia) na passagem dos alimentos, inflamação (esofagite), úlcera do esófago e sangramento.

Nos primeiros meses de vida do bebe pode ocorrer refluxo, é chamado de refluxo fisiológico que costuma desaparecer até um ano de idade. No adulto é considerado de patológico.

Complicações

O refluxo causa má qualidade de vida, felizmente são poucos os casos em que há complicações graves.

– Pode ocorrer erosão do esófago (esofagite péptica) mas tem tratamento. Pode haver hemorragia (perda de sangue) e levar a uma anemia, mas não é frequente.

– Estenose (aperto) do esófago é rara e impede a passagem dos alimentos sólidos para o estômago.

– A membrana da parte inferior do esófago (mucosa) é alterada para uma mucosa semelhante à do intestino e estômago – esófago de Barret. Também é rara e pode evoluir para cancro o que obriga a um controle apertado com endoscopia e biópsia.

– A hérnia do hiato é uma alteração estrutural anatómica, e pode estar presente em doentes com refluxo, ou ser a causa. Consiste na passagem de uma parte do estômago para a zona do tórax onde só deveria estar o esófago. Esta passagem acontece devido ao mau funcionamento da pressão do esfíncter.

Tratamento

Há medidas que resultam sem ser necessário recorrer a medicação ou cirurgia.

– Refeições menos gordurosas, pouco temperadas e evitar os picantes e comidas muito quentes.

– Comer menor quantidade às refeições e mais vezes ao dia.

– Não se deitar a seguir às refeições.

– Não fumar, reduzir o café e bebidas alcoólicas.

– Pessoas com excesso de peso devem tentar emagrecer.

– Não dobrar para a frente, principalmente após as refeições.

– Evitar exercícios que necessitem de esforço demasiado da zona abdominal.

– Evitar líquidos a seguir às refeições.

Se o refluxo for ligeiro, passa com dieta, modificação de alguns hábitos de vida e se necessário tomar um anti-ácido ou um medicamento que facilite a digestão. Se parar de tomar estas medidas o refluxo reaparece.

Quando o tratamento com alteração dos hábitos de vida e medicação não é eficaz, ou há complicações, o médico pode considerar o tratamento com cirurgia.

O tratamento cirúrgico do refluxo e da hérnia do hiato consiste em substituir a função do esfíncter e normalizar o diâmetro do hiato.

O médico para determinar se o doente necessita de fazer a cirurgia, necessita da realização de alguns exames como a endoscopia digestiva alta, manometria esofágica e pHmetria esofágica de 24 horas.

As pessoas com refluxo devem ter sempre cuidado com a alimentação, peso e trazer sempre a medicação.

2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700