Leve uma vida mais doce e com moderação

Monique Renne/Esp. CB/D.A Press - 27/05/2010A bebida que você consome parece sem doce e você evita utilizar o açúcar refinado porque sabe o mal que esse alimento faz se usado em excesso. A primeira opção que vem à sua cabeça como sendo a mais saudável é o adoçante, não é mesmo? Pois então saiba que não é bem assim.

Para muitos, o adoçante é o substituto natural do açúcar na hora de dar um gosto adocicado ao alimento, mas poucos sabem que o consumo regular do produto pode trazer danos à saúde. Devido à sua composição quimicamente concentrada, o adoçante abre o apetite por doces e causa compulsão por carboidratos. Ainda pode alterar a pressão dos hipertensos, favorecer o acúmulo de toxinas no fígado, causar dor de cabeça e alterações no humor.

Os adoçantes, também chamados de edulcorantes artificiais, são produzidos, em sua maioria, sinteticamente pela indústria e estão voltados para atender a um público específico, os portadores de diabetes e pessoas muito acima do peso, que sofrem restrição no consumo de açúcar.

O perigo dos adoçantes também está na concessão de quem, por exemplo, consome um refrigerante light, mas se permite comer um brigadeiro porque economizou as calorias da bebida. O fato de quase todos os adoçantes serem isentos de calorias é um atrativo para a comilança. Tal hábito leva a pessoa a ganhar peso, tanto pelas compensações que vão sendo feitas como pelo acúmulo de toxinas no tecido adiposo.

Dentre os adoçantes que mais causam efeitos colaterais, está o aspartame, que gera, como produto final de sua metabolização, o metanol, altamente tóxico para o fígado e potente destruidor de neurônios. Já a sacarina e o ciclamato levam sódio na composição, contra-indicados para quem tem hipertensão e pessoas com problemas renais.

Especialistas aconselham provar o café e o suco natural antes de pôr o adoçante. Assim, o uso de qualquer produto para adocicar passa a ser dispensável porque o paladar se acostuma ao verdadeiro sabor dos alimentos. No entanto, se for mesmo necessário, utilize o Stévia, uma opção mais natural e segura, ou o agave, um xarope retirado de um cacto e originário do México. Não sendo possível, ao menos faça um rodízio entre os vários tipos de adoçantes. É uma boa maneira para evitar o acúmulo de substâncias nocivas no fígado.

Lembre-se de que o adoçante só deve ser consumido com a indicação de médicos e nutricionistas. Indivíduos com a saúde em dia precisam evitá-lo, pois o produto é especialmente indicado para diabéticos e obesos. As crianças também não devem consumi-lo, pelo menos as que se enquadrem em um dos casos acima. Gestantes, então, nem pensar. Adoce a vida, mas com moderação. 
 
Fonte:  Uai
2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700