Infectologista dá dicas sobre como prevenir e tratar as doenças típicas do inverno

A chegada do frio aumenta em até 40% a incidência de doenças respiratórias, principalmente as alérgicas como asma, gripe, resfriados e rinite. Além da queda da temperatura, que favorece a irritação das vias aéreas, a chegada do inverno costuma trazer a redução da umidade relativa do ar, uma maior concentração de pessoas em locais fechados e pouco arejados, além do uso de casacos de lã e cobertores guardados por longos períodos.

De acordo com o infectologista paranaense Jaime Rocha, os curitibanos sofrem ainda com a grande variação climática que a cidade apresenta, o que facilita as pessoas pré-dispostas a desenvolverem doenças do trato respiratório. “A grande variação de temperatura que temos em Curitiba pode reduzir a defesa das mucosas respiratórias. Essa oscilação pode deixar a defesa do organismo comprometida e aumentar as chances de contrair um vírus respiratório. Não é algo como causa e consequência, mas existe uma relação direta na transformação do clima e no desenvolvimento de doenças”, explica.

Segundo Rocha, existem dois tipos de doenças respiratórias mais propensas a acontecer em cidades como Curitiba, onde o clima é instável: as imunológicas e as infecciosas. As doenças imunológicas ocorrem quando o sistema imunológico não está funcionando corretamente e, como resultado, as pessoas ficam mais suscetíveis a contrair doenças como a rinite ou outras de quadro alérgico. Já doenças infecciosas são aquelas também causadas por vírus ou bactérias, conhecidas como as gripes, resfriados e sinusites.

“A mudança de clima durante o dia não causa diretamente nenhum tipo de doença, mas provoca a redução do sistema imunológico e aumenta a propensão a desenvolver alguns sintomas. Tanto as imunológicas quanto as infecciosas podem ter uma relação direta com a variação do clima. Para amenizar essas situações, as pessoas precisam equilibrar a saúde de forma geral, com alimentação saudável, horários regulares e adoção de hábitos saudáveis”, aponta Rocha.

Doenças

Rocha lembra que alto índice de doenças respiratórias nesta época do ano sempre gera confusão quanto ao tipo de doença a se tratar. Quando chega o primeiro espirro, a dúvida aparece. As diferenças entre resfriados, gripes e outras doenças devem observadas.

A gripe é uma doença muito contagiosa que ataca as vias respiratórias (nariz, garganta e pulmões) e é causada por um vírus chamado Influenza. Existem antivirais específicos, além dos medicamentos para aliviar seus sintomas. Pode facilmente complicar com sinusite e pneumonia. Os principais sintomas são febre alta, dores musculares e articulares, dores de cabeça e tosse. O vírus Influenza é transmitido pelo ar através de gotículas de saliva. A melhor prevenção contra a gripe é tomar a vacina todos os anos, pois o vírus é mutante, aparecendo de forma diferente a cada ano. Mas também é possível preveni-la melhorando as defesas do corpo através do calor e da boa alimentação.

O resfriado é uma infecção mais leve das vias aéreas superiores – nariz e garganta. Não existe remédio para curá-lo ou vacinas para prevenção, mas apenas para amenizar os sintomas. Se não houver complicação, tende a evoluir bem em poucos dias. Os principais sintomas são coriza, espirros e febre baixa. O tratamento é feito com repouso, líquido e boa alimentação. Se necessário, podem ser administrados analgésicos, antitérmicos e vitaminas, mas só depois de consulta médica.

Fonte: Frischmann Aisengart Medicina Diagnóstica (DASA – Diagnósticos da América)

2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700