Hipertensão arterial – aspectos nutricionais

Hipertensão e suas conseqüências:

A hipertensão arterial popularmente conhecida como “pressão alta” é uma doença que atinge uma grande parcela da população do Brasil e mundo. É um dos fatores que aumentam o risco de infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (derrame) e outras doenças cardiovasculares.

Além da hipertensão, outros fatores de risco devem ser observados, dentre eles: dislipidemias (aumento das gorduras no sangue), tabagismo, consumo de álcool, hábitos alimentares inadequados, obesidade, diabetes, sedentarismo e stress. Quanto mais fatores de riscos associados maiores são as chances de problemas como infarto e derrame.

Um dos problemas para o diagnóstico da hipertensão arterial se deve ao fato de que em muitos casos não existem sintomas aparentes. Muitas pessoas convivem com a doença por um longo tempo antes de descobrirem que são hipertensos. Dentre os sintomas que podem ser observados quando a pressão atinge valores muito elevados, ou quando há um pico súbito devido a causas diversas, temos a cefaléia, que geralmente é pulsátil, sensação de calor, dispnéia, opressão no peito, e em casos graves, alterações da consciência e crises convulsivas.

Uma vez estabelecido o diagnostico de hipertensão e afastado causas secundárias que podem cursar com elevação da pressão, como doenças renais e endocrinológicas, é importante aprender a conviver com ela. Isso porque a hipertensão primária ou essencial é causada por fatores genéticos, não havendo cura, mas podendo ser controlada através de alimentação adequada, medicações específicas e mudanças no estilo de vida.

O papel da alimentação na prevenção e controle da hipertensão arterial:

O sódio é um sal mineral que está presente naturalmente em alguns alimentos e é o principal componente do sal de cozinha e de uma série de outros conservantes. Há muito tempo o sódio tem sido considerado importante fator no desenvolvimento e na intensidade da hipertensão arterial.

A evolução da espécie humana, e conseqüentemente a modificação dos hábitos alimentares e as formas de conservação e preparo de alimentos, tiveram um papel importante no aparecimento da hipertensão ao longo destes milhares de anos. Desde os nossos antepassados pré-históricos até hoje, o consumo de sal vem aumentando progressivamente. O primeiro aumento significativo do consumo de sal na alimentação humana ocorreu com o advento da agricultura e a conseqüente necessidade de conservação dos alimentos que eram produzidos em grande escala. Os chineses descobriram há cerca de 4.000 anos que o sal era capaz de conservar os alimentos. Desde então, até os dias atuais o sal é um dos aditivos de conservação mais abundantes nos alimentos processados.

O consumo médio de sal da população gira em torno de 10 a 12 gramas/dia. Este consumo refere-se ao sódio natural dos alimentos, ao sal adicionado durante o preparo e do consumo de alimentos processados que apresentam sódio. O consumo total de sódio pode ser considerado proveniente de três maneiras: 75% de alimentos processados, 10% de sódio do próprio alimento 15% de sal de adição. A recomendação do consumo de sal para as pessoas hipertensas é de 6 gramas de sal por dia, já incluindo o sal natural dos alimentos.

Diminuindo o consumo de sódio:

Para que as recomendações de redução do sal na alimentação sejam cumpridas é necessário selecionar com atenção os alimentos e prepará-los de forma adequada. Algumas atitudes simples podem reduzir de forma significativa o sal da dieta, siga estas recomendações:

“Não adicione sal aos alimentos que já estão preparados, nada de deixar o saleiro à mesa

“Cozinhe e prepare os alimentos com a quantidade mínima de sal que lhe foi orientada por seu médico ou nutricionista

“Comece a prestar atenção nos diferentes sabores dos alimentos, e que muitas vezes estavam mascarados pelo uso excessivo de sal

“Não utilize realçantes de sabor com caldos de carne, frango ou legumes; nem outros condimentos como molho inglês, molho de soja, mostarda preparada, catchup e todos os demais temperos prontos

“Incremente o aroma e sabor das refeições com temperos e condimentos naturais do tipo alho, cebola e ervas aromáticas como manjericão, salsa, cebolinha, alecrim, orégano, gengibre e outras de sua preferência

“Não consuma alimentos industrializados, principalmente conservados em salmoura como enlatados e vidrarias além de sopas e caldos prontos

“Cuidado com os aperitivos tipos salgadinhos industrializados como: batata frita, amendoim torrado e queijos

“Frios e embutidos também devem evitados

“E agora uma outra dica bastante importante: aumente bastante o consumo de alimentos ricos em potássio, pois o potássio age no organismo de forma contrária ao sódio, ou seja, ele diminuiu a pressão arterial. Os alimentos ricos em potássio são as frutas e sucos de fruta,legumes e verduras frescas além de leguminosas como feijão, ervilha, lentilha e grão de bico

“Além de tudo isto evite também o consumo excessivo de café (3 xícaras por dia, evitando café expresso) e evite o consumo de gordura animal como carnes gordas e leite e derivados integrais. Prefira gorduras vegetais como óleos de soja, canola e oliva.

Outros cuidados importantes:

A obesidade está estreitamente relacionada com a hipertensão arterial. Desta forma é fundamental que os indivíduos hipertensos mantenham seu peso dentro da faixa de normalidade. Para aqueles que se encontram acima do peso, deve-se introduzir uma dieta hipocalórica (com baixa caloria) e promover uma reeducação alimentar, com a incorporação de hábitos alimentares saudáveis para que ocorra não apenas redução de peso, mas também manutenção do peso adequado. Como grande aliado no controle do peso corporal e também da própria hipertensão temos a prática regular de exercícios físico. Por isso converse com seu médico para que ele oriente qual é a melhor atividade para seu caso, escolha a que mais lhe agrada e mexa-se.

Outras medidas como parar de fumar e não utilizar bebidas alcoólicas são extremamente importantes para o controle da hipertensão. E lembre-se: todas estas medidas além de ajudarem no controle da hipertensão promovem uma melhor qualidade de vida!

Nutricionista Cyntia Carla da Silva

Nutricionista clínica do Hospital do Coração

Coordenadora de Nutrição Assistencial do Hcor

Fonte: http://www.nutricaoclinica.com.br

2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700