Dúvidas Gerais Sobre Diabetes

  

1) Soube de um glicosímetro que não era necessário furar o dedo. Gostaria de saber se realmente existe e qual empresa fabrica. Foi diagnosticada diabetes tipo 1 na minha sobrinha de 2 aninhos e gostaria de adquirir o produto caso exista.

Redação SBD: O Glucowatch não é comercializado no Brasil, por se tratar de um país de clima quente. Segundo o fabricante, o suor atrapalha a leitura do sensor.

2) Minha mãe tem diabetes e parece-me que ela está descompensada. Gostaria de saber quais são os sinais e sintomas dessa disfunção, pois volta e meia acontece essa situação.

Hiperglicemia é o aumento da glicose no sangue. A SBD considera que valores acima de 126 mg em jejum são suspeitos de diabetes. Valores acima de 200 mg em qualquer ocasião fazem o diagnóstico.

 As pessoas com diabetes que fazem monitorização da glicose rotineiramente podem detectar aumentos da glicemia, sem, entretanto, apresentar quaisquer sintomas de hiperglicemia.

 Sempre que possível deve-se pesquisar a glicose no sangue. Isto pode ser feito nas seguintes ocasiões:

  • Em jejum e antes das principais refeições (almoço e jantar);
  • Em jejum e 2 horas após as principais refeições;
  • Até duas horas após as refeições (glicemia pós-prandial).

É considerada glicemia pós-prandial exames realizados dentro do intervalo de duas horas após as refeições. A interpretação destes resultados deve ser feita pelo médico.

 Causas que podem favorecer o aparecimento da hiperglicemia:

 * Diabetes mellitus primária ou secundária a outras doenças;

* Muita comida, sem nenhuma restrição;

* Pouco exercício;

* Síndrome Metabólica.

 Sintomas:

 Muita sede, muita urina, muita fome com emagrecimento, cansaço, pele seca, dor de cabeça, podendo evoluir para náuseas, vômitos, sonolência, dificuldades para respirar e háálito de maçã.

 O que fazer?

 Caso você detecte um valor elevado de glicose no sangue, procure um médico ou um serviço de saúde para um diagnóstico e tratamento

3) Tive a informação de que quem tem diabetes perderá, com o passar do tempo, todos os seus dentes e deverá usar prótese. Isso realmente é verdade? Não há solução pra mudar isso?

Dr. Josivan Lima: Não é verdade. O bom controle glicêmico pode evitar alterações dentárias, bem como outras complicações crônicas do diabetes. Mantenha um bom controle e faça exercícios regulares e uma dieta saudável. Converse com seu médico.

4) Minha filha faz tratamento para ovários policísticos e o médico me passou que quem apresenta este problema tem uma propensão a desenvolver o diabetes. Gostaria de saber se esta informação procede.

Dr. Josivan Lima: Sim. Aumenta o risco para diabetes tipo 2 devido à resistência insulínica. Uma alimentação saudável e atividade física regular minimizam esse risco.

5) Minha mãe, diabética, está internada para tratamento de uma ferida infectada no pé. Estou muito preocupado e gostaria de saber qual é a conduta médica mais adequada para o caso e também o que devemos perguntar ao médico para podermos colaborar da melhor forma para o restabelecimento de minha mãe.

Dra. Hermelinda Pedrosa: É fundamental saber: a extensão da infecção – afastar osteomielite: ressonância magnética é o melhor método de imagem se raios-x seriados (intervalos de 15 dias) forem negativos; estado da circulação – avaliação por um cirurgião vascular periférico; e controle metabólico – monitorização da glicemia. Procure acessar o site da IDF pois há o Consenso Internacional 2007.

6) Eu gostaria de saber qual o valor máximo em % possa dar entre os testes feitos em laboratório e um medidor de glicose e entre dois medidores de marcas diferentes.

Dr. Josivan Lima: Existe uma variabilidade aceitável de 5-10% nas comparações com sangue venoso (laboratório).

7) Diabetes e bebida alcoólica combinam?

Marlene Merino Alvarez (Coordenadora do Departamento de Nutrição da SBD gestão 2008-2009): Diabetes e álcool não combinam porque a ingestão excessiva dessa bebida aumenta os triglicerídeos (gordura) no sangue e pode provocar hipoglicemias (baixa de açúcar) severas senão for ingerida conjuntamente com comida. Dessa forma, a bebida alcoólica é prejudicial em todos os sentidos para a pessoa com diabetes, além de a longo prazo, favorecer ao alcoolismo. A orientação da Associação Americana de Diabetes para a ingestão do álcool para a pessoa com diabetes é limitar a uma taça de vinho por dia para mulheres e duas para homens.

8 ) Minha sogra tem 62 anos e tem diabetes só que ela não se trata, toma o remédio da diabetes com pão, vive de batatas e afins, não faz nenhuma atividade física. Acredito até que ela já tenha desenvolvido a neuropatia diabética, pois ela reclama de dor forte nas pernas e não consegue mais subir escadas. O que posso fazer para conscientizá-la do problema? Pois só falar que faz mal não adianta, ela continua comendo e não faz nada. Eu estou tentando montar uma cartilha com as complicações e gostaria de incluir umas fotos, mas está difícil de arrumar um bom material na internet. O que vocês me sugerem?

Redação SBD: Você procurar uma associação de pessoas com diabetes e inscrever sua sogra, para que ela participe de programas educativos, terapias e ter contato com outras pessoas que têm diabetes.

9) Existe remédio para a cura da impotência sexual causada pelo diabetes tipo II?

Dr. Josivan Lima: A disfunção erétil do diabético deve ser tratada com bom controle da glicose, da pressão arterial e do colesterol e, se necessário e possível, com drogas como viagra, cialis, etc.

10) Minha mãe possui diabetes e ela regula diariamente sua alimentação. Eu gostaria de saber se a diabetes causa enjôos sem o individuo ter ingerido nenhum tipo de alimento. Ela toma os remédios indicados pelo médico diariamente, mas esses enjôos vêm preocupando. Então, eu queria saber se é a diabetes, caso não teríamos que procurar um médico especialista em estômago.

Dra. Claudia Pieper: O diabetes por si só não provoca enjôos, exceto nos casos em que a glicemia estiver muito elevada ou mantida alta durante muitos dias. É necessário fazer uma avaliação dos medicamentos que estão sendo tomados e procurar um gastroenterologista.

  

 Fonte:  Sociedade Brasileira de Diabetes

2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700