Doenças da tireóide

A palavra Tireoide é originária do latim e significa “escudo”. Em 1656, Thomas Warton escolheu essa denominação porque acreditava-se que a única função da Tireoide era estética (tornando o pescoço mais bonito). Hoje em dia, entretanto, sabemos que a Tireoide consiste em uma importante glândula endócrina, no formato de borboleta, localizada na região anterior do pescoço com inúmeras funções vitais para a sobrevivência da espécie humana. Ela é responsável pela produção de dois importantes hormônios: a TIROXINA (T4) e a TRIIODOTIRONINA (T3) que têm participação importante na regulação dos órgãos, acelerando ou reduzindo a função desses conforme a necessidade. A Tireoide tem, portanto, um importante papel no controle do metabolismo e no funcionamento equilibrado de todo o organismo.

Quem regula a função da Tireoide?
Existe uma outra glândula, chamada pituitária ou hipófise, que, por meio da secreção (produção) de um hormônio chamado HORMÔNIO TIREOESTIMULANTE ou TSH, controla a produção dos hormônios produzidos pela Tireoide.

Por exemplo, quando por alguma razão a Tireoide produz pouco hormônio, a hipófi se percebe que algo está errado e aumenta a secreção do TSH. Ao contrário, quando a Tireoide apresenta hiperfunção (aumento da produção hormonal) a hipófise diminui o estímulo à glândula Tireoide pela secreção do TSH.

Por esse motivo, notamos que, na grande maioria das vezes que estamos diante de um desequilíbrio da função tireoideana, os níveis dos hormônios tireoideanos (T3 e T4) e o TSH caminham inversamente.

Quais as principais doenças da Tireoide?
As principais doenças que acometem a Tireoide são as alterações de sua função, ou seja o hipo e o hipertireoidismo. Além das alterações de função, citamos ainda as doenças nodulares da Tireoide, doenças inflamatórias agudas e subagudas da Tireoide (bacterianas e virais).

É verdade que as doenças da Tireoide acomentem sobretudo as mulheres?
Sim, as mulheres são mais acometidas por disfunções tireoideanas. A prevalência dessa patologia no sexo feminino é bastante alta e com frequência subdiagnosticada. Estudos têm mostrado acometimento em torno de 10% das mulheres acima de 40 anos e em torno de 20% das que têm mais de 60 anos.

O que é Hipo e Hipertireoidismo?

Hipotireoidismo: resulta habitualmente da diminuição da produção de    hormônio tireoideano com consequente diminuição da sua ação nos    tecidos. O organismo passa a funcionar, portanto, de forma “mais lenta”.    Dentre as principais causas de hipotireoidismo citamos tireoidite autoimune ou tireoidite de Hashimoto (mais comum),    hipotireoidismo pós-cirurgia de Tireoide e póstratamento com radioiodo. Uma outra causa, um pouco menos comum nos    dias atuais em função da iodação do sal, é o hipotireoidismo em consequência da deficiência de iodo na dieta.

Hipertireoidismo: resulta do excesso de produção de hormônio tireoideano com consequente aumento da sua ação nos    tecidos. O organismo passa a funcionar, portanto, de forma mais “acelerada”. Dentre as principais causas de    hipertireoidismo citamos bócio difuso tóxico ou doença de Basedow-Graves (hiperestimulação imunológica da glândula),    bócio uni e multinodular tóxico (nesse caso um ou mais nódulos tireoidenos podem produzir hormônio tireoideano) e    excesso de iodo na dieta.

Quais os principais sintomas do Hipo e Hipertireoidismo?

Hipotireoidismo: diminuição da frequência cardíaca, elevação da pressão sanguínea, letargia, sonolência, falta de    memória, câimbras, aumento de peso, rosto inchado (principalmente sob os olhos), fala lenta, voz rouca, cabelo fino e    fraco, pele áspera e seca, constipação intestinal, dor articular, aumento da sensibilidade ao frio, aumento do fluxo    menstrual, galactorreia (secreção láctea nas mamas), infertilidade e depressão (especialmente em idosos).

Hipertireoidismo: aumento da frequência cardíaca, aumento do ritmo intestinal, nervosismo, agitação, insônia, muito    suor, fraqueza muscular, tremores das mãos, perda de peso, queda de cabelo, pele quente, diminuição do fluxo    menstrual, olhos saltados (exoftalmia).

Obs.: É importante lembrar que não obrigatoriamente todos esses sintomas encontram-se associados. Diante da presença de algum desses sintomas, é importante relatá-los ao seu médico, o qual será a melhor pessoa para lhe orientar quanto à conduta a ser seguida.

Qual o tratamento indicado para os problemas de Tireoide?
O tratamento vai variar de acordo com o problema em questão. Por exemplo, diante do hipotireoidismo o tratamento será a reposição do hormônio tireoideano que está defi ciente. Já, quando estamos diante do hipertireoidismo o tratamento é habitualmente um pouco mais difícil e poderão ser indicados tanto o tratamento com medicamentos (que provocam a diminuição da produção de hormônio tireoideano) como o tratamento cirúrgico ou a ablação (destruição tireoideana) com radioiodo. O tratamento cirúrgico assim como o tratamento com radioiodo ou ainda a injeção intranodular de etanol podem ser indicados em casos selecionados de patologias nodulares.

2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700