Doenças da Próstata

Do tamanho aproximado de uma noz e só presente no homem, a próstata se localiza logo abaixo da bexiga , envolvendo a uretra, aquele conhecido tubo por onde passa a urina durante a micção (ato de urinar).

 

      Por isso, quando aumenta de volume, a próstata se transforma em uma verdadeira ameaça para o bem-estar do homem, pois começa a comprimir a uretra e a dificultar a passagem da urina: o jato urinário se torna gradativamente fino e fraco.

      Outras vezes, há dificuldade até para começar a urinar. Em casos de obstrução mais grave, a urina chega a ser eliminada somente com o auxílio de uma sonda (cateter) colocada diretamente na bexiga.

      Quando associados à obstrução direta da próstata, esses problemas que alteram o fluxo urinário normal são conhecidos como ” sintomas obstrutivos”. Entretanto, quando estão relacionados às repercussões negativas deste próprio fluxo urinário anormal sobre a bexiga, são chamados de “sintomas irritativos” .

      O importante é reconhecer que tais sintomas urinários estão associados ao crescimento do volume (tamanho) da próstata, que, por sua vez, pode ser provocado por três tipos principais de problemas:

  • Hiperplasia Prostática Benigna (HPB);
  • Câncer de Próstata;
  • Prostatite (inflamação da próstata).

      Daí a necessidade de procurar orientação médica tão logo comecem a aparecer essas desagradáveis alterações urinárias, sobretudo em homens com mais de 50 anos! Afinal, é preciso desativar a bomba antes de ela explodir, necessitando de tratamento sempre mais difícil e complicado.

DETALHES QUE TODO HOMEM DEVE CONHECER!

      A próstata cresce pouco até a puberdade, quando passa a sofrer influências mais importantes de hormônios masculinos (testosterona/diidrotestosterona), alcançando cerca de 20g por volta dos vinte anos de idade.

      Estima-se que, a partir dos 31 anos, passa a crescer na base de 0,4g por ano. Está bem demonstrado que o crescimento normal da próstata está relacionado com o avanço da idade do homem. Entretanto, em caso de câncer prostático ou principalmente de HPB- Hiperplasia Prostática Benigna, esse crescimento se torna acelerado, e a próstata pode atingir volumes de 60g ou mesmo de 100g, passando então a exigir quase sempre tratamento cirúrgico.

      A seqüência de ilustrações aqui apresentadas exemplifica a evolução do crescimento da próstata e de seus efeitos compressivos sobre a uretra.

LOCALIZAÇÃO ANATÔMICA CADA VEZ MAIS PERIGOSA COM A PROGRESSÃO DA IDADE

      A glândula prostática tem uma disposição anatômica que a torna estrategicamente perigosa dentro do sistema urinário, pois seu crescimento exagerado (hiperplasia) afeta rapidamente o calibre da uretra, dificultando a passagem da urina e o próprio funcionamento da bexiga, podendo também causar alterações renais importantes, como mostra a ilustração abaixo: observe a posição delicada da próstata logo abaixo da bexiga.


NOTA: Como se observa, a próstata é cruzada pelo canal deferente ou canal ejaculatório, que serve para conduzir o esperma até a uretra masculina durante o orgasmo.

MISTURA DE TECIDO GLANDULAR E MUSCULAR

      É interessante que a composição da próstata inclui grandes quantidades de tecido glandular e principalmente o que se chama “estroma” (trama tecidual) entremeado de tecido muscular liso.

NORMAL- 2:1 esta relação mostra que normalmente há duas vezes mais tecido muscular na próstata do que tecido glandular.

HPB- 5:1 em homens com Hiperplasia Prostática Benigna, passa a haver cinco vezes mais tecido muscular na próstata do que glandular.

      Esta informação é necessária diante do fato de que esse tecido muscular se contrai por ação de um hormônio (noradrenalina), agravando o efeito compressor da próstata sobre a uretra.

      Assim, quando se bloqueia a atividade da noradrenalina, pode-se obter alívio dos sintomas urinários associados ao crescimento anormal da próstata.

FUNÇÕES PRINCIPAIS: PRA QUE SERVE?

      A próstata é uma glândula que faz parte do sistema reprodutor do homem, produzindo (secretando) um líquido que se junta à secreção da vesícula seminal para formar o sêmen (esperma) e auxiliar no transporte dos espermatozóides produzidos nos testículos até a sua ejaculação durante o orgasmo.

      É também dentro da próstata que ocorre a transformação do principal hormônio masculino- a testosterona- em diidrotestosterona, que, por sua vez, é responsável pelo controle do crescimento dessa glândula.

      Convêm lembrar ainda que a glândula prostática é dividida em várias zonas, conhecidas como zona central, periférica, de transição, e assim por diante.

      Em caso de HPB (Hiperplasia Prostática Benigna), o crescimento prostático ocorre sobretudo na zona de transição, enquanto o câncer se localiza em geral na zona periférica.

SINTOMAS QUE INDICAM A NECESSIDADE URGENTE DE CONSULTAR O MÉDICO SOBRE A SAÚDE DE SUA PRÓSTATA

      O grande segredo para a cura de qualquer doença ou pelo menos para minimizar seus problemas é sempre procurar orientação médica tão logo apareçam seus primeiros sinais e sintomas.

      Nos casos de enfermidades da próstata, a conduta é exatamente a mesma: não perder tempo com especulações e conversas “caseiras” e procurar de imediato seu médico quando surgirem sintomas como os seguintes:

  • Jato urinário cada vez mais fraco;
  • Dificuldade ou demora para iniciar a micção;
  • Necessidade freqüente de urinar;
  • Acordar à noite para urinar;
  • Interrupção involuntária do jato urinário (interrompe e volta a urinar);
  • Presença de sangue na urina;
  • Dor ou sensação de queimação durante o ato de urinar;
  • Urgência ( sensação de que não pode postergar o ato de urinar);
  • Sensação de esvaziamento incompleto da bexiga.

Muitos desses sintomas podem estar presentes em diferentes doenças da próstata:

  • Prostatites infecciosas e não-infecciosas;
  • Hiperplasia Prostática Benigna;
  • Câncer de próstata.

Prostatites infecciosas- Nas formas agudas, há sempre a participação de um agente infeccioso, representado em geral por certos micróbios, como as bactérias. Em certos casos, podem surgir febre e calafrios, exigindo consulta médica sem perda de tempo.

Nas formas crônicas , a causa é quase sempre constituída também por uma bactéria. Seus sintomas , porém, são mais discretos e muitas vezes representados por infecção repetida da bexiga (cistite).

Prostatites Não-Infecciosas- Embora sua causa permaneça desconhecida, a sintomatologia é muitas vezes expressiva, requerendo o uso de medicamentos, como os chamados “alfa-bloqueadores”, que relaxam o tecido muscular da próstata, reduzindo a dificuldade de urinar.

HPB E CÂNCER: EXAMES E DIAGNÓSTICOS

      Além dos sintomas, o médico precisa reunir outras informações para diagnosticar com certeza o tipo de problema que o paciente prostático apresenta.

      Assim, se você já passou dos 50 anos e tem queixas urinárias sugestivas de alteração prostática, sua consulta médica vai obedecer às etapas seguintes:

  • História Clínica: interrogatório sobre suas queixas urinárias, passado cirúrgico, medicação em uso e outras eventuais doenças (no passado e / ou atuais).
  • Exame Físico: Além do exame geral, seu principal ponto é o Toque Retal, em que através do contato de seu dedo com a superfície da próstata o médico pode avaliar diversos aspectos desta glândula:
-Volume; -Consistência;-Nódulos;-Limites;-Sensibilidade.

Contribui também para orientar sobre possíveis alterações neurológicas associadas.

      Uma vez detectadas alterações prostáticas que precisam ser mais bem esclarecidas, sem médico certamente vai encaminhá-lo para o Urologista, especialista em doenças do trato urinários e do sistema repordutor masculino.

HPB E CÂNCER: COMPLEMENTAÇÃO LABORATORIAL

Uma vez confirmado o aumento da próstata e/ou a presença de outras alterações, são em geral solicitados exames de laboratório:

  • Exame da urina: Pode revelar presença de infecção urinária, que poderia ser responsável por suas queixas, ou de sangue na urina.
  • Creatinina: É importante no estudo da função renal. Estima-se que 10% dos portadores de HPB evoluem com insuficiência renal.
  • PSA (Antígeno Prostático Específico): É considerado marcador importante, embora não seja específico para câncer, uma vez que pode apresentar aumentos importantes também em casos benignos, como a própria HPB, as infecções e os infartos prostáticos.
  • Ultra-sonografia Transabdominal: Trata-se de um método não invassivo que permite avaliar o tamanho e a textura da próstata, resíduo urinário na bexiga e outras alterações do trato urinário.
  • Ultra-sonografia Transretal: É indicada quando há suspeita de câncer de próstata, em particular para orientar a biópsia prostática.
  • Outros exames com indicações específicas: Urofluxometria, Urodinâmica, Uretrocistoscopia, Urografia Excretora, Uretrocistografia, etc.

CÂNCER DE PRÓSTATA

      É assustador, mas não se pode fugir da realidade de que o câncer de próstata representa hoje o tipo mais comum de câncer no homem. Estima-se que um em cada dez homens vai desenvolver câncer de próstata em alguma fase de sua vida.

      O tumor se inicia na maioria das vezes na zona perifèricam para depois crescer e invadir as demais áreas da próstata. Pode permanecer confinado à glâncula, mas também pode se exxpandir, afetando as regiões vizinhas ou, em casos avançados, alcançar partes mais distantes, a exemplo dos gânglios ( do sistema linfático) e dos ossos. São as conhecidas “metástases”.

O diagnóstico de câncer prostático, em geral, fundamenta-se nos exames seguintes:

  • Toque retal;
  • Determinação do nível de PSA- antígeno prostático;
  • Ultra-sonografia transretal;
  • Biópsia de próstata.

CÂNCER DE PRÓSTATA: O QUE FAZER?

O tratamento do câncer de próstata é quase sempre de natureza cirurgica (prostatectomia raadical), quando diagnosticado na fase inicial.

Outros tratamentos:

  • Radioteraapia;
  • Hormonioterapia;
  • Irradiação terticial
  • Criocirurgia.

HIPERPLASIA PROSTÁTICA BENIGNA:

      É o crescimento anormal do volume (tamanho prostático), mas com características de benignidade.

      Não se deve confundir HPB (Hiperplasia Benigna da Próstata) com câncer de próstata, embora ambos os problemas possam ocorreer no mesmo paciente.

Importante: a presença de HPB não significa que o paciente vai ter câncer da próstata no futuro.

      É interessante notar que nem sempre o volume da próstata corresponde à gravidade dos sintomas. Há pacientes com próstatas pouco aumentadas, mas com sintomatologia acentuada e vice-versa. Daí a importância do exame urológico bem feito, incluindo sempre o toque retal

Fatores de Risco:

  • Idade ( mais de 50 anos);
  • Presença de níveis elevados de andrógenos ( testosterona/ diidrotestosterona);
  • Hereditariedade.

Confirmado o diagnóstico de HPB, o primeiro ponto que você deve saber é que, se não for tratada, essa doença, apesar de ser benigna, pode em alguns casos provocar complicações graves, tais como:

  • Retenção de grandes volumes de urina;
  • Importante comprometimento dos rins;
  • Predisposição para infecções urinárias,
  • Etc.

Em qualquer circunstância, o diálogo médico – paciente é que vai decidir qual o esquema de tratamento a ser adotado.

(Fonte: Material informativo da Comissão de Educação Continuada da Sociedade Brasileira de Urologia).

2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700