Crianças e a Desidratação

Desidratação, apesar do nome, não é apenas perda de água. É perda de água e sais. Em crianças, a grande maioria dos casos é provocada pela infecção intestinal, a gastrenterite, que causa vômitos ou diarreia.

Muitos bebês têm regurgitação, quando o leite volta à boca e às vezes é eliminado como se fosse um vômito. Outros têm fezes diarreicas, eliminando cocô líquido ou semilíquido. Isso é muito frequente em crianças bem pequenas alimentadas ao seio materno e não se trata de doença. Sabemos disso, porque essas crianças continuam com ótimo estado geral, sem sinais de desconforto, e ganhando peso.

Alerta: é normal a criança perder peso nos primeiros dias de vida e começar a recuperá-lo a partir do quinto dia após o nascimento.

Na gastrenterite, os vômitos e diarreia são acompanhados de prostração; o peso não aumenta ou até diminui. Isso acontece porque a criança está perdendo água e sais minerais. Como a alimentação está prejudicada, a criança pode ficar fraca e desnutrida.

Para evitar a gastrenterite, dê somente o leite de peito até os seis meses de idade. Lave as mãos após evacuar e antes de cuidar do bebê. Lave os alimentos que são oferecidos crus. Especialmente nos dias quentes, mantenha os alimentos na geladeira. Cuide do lixo e combata os insetos.

Duas são as consequências mais temidas da gastrenterite: desidratação e desnutrição.

Veja os sinais de desidratação:
> A criança fica prostrada.
> Em criança pequena, os olhos e a fontanela (moleira) ficam fundas.
> A criança tem poucas lágrimas quando chora, urina pouco ou não urina, e fica com a boca seca.
> A pele fica seca, e nos casos graves perde a elasticidade. Quando se faz uma prega na pele ela demora a se desfazer (veja a figura).

Foto: OMS

Veja o que fazer para evitar a desidratação:
> Mantenha a alimentação normal da criança e o aleitamento materno.
> Ofereça mais água do que o habitual e, nos dias quentes, coloque a criança em ambiente ventilado.
> Evite alimentos com excesso de açúcar e com corantes, principalmente os vermelhos (podem ser confundidos com sangue).
> Ofereça soluções reidratantes, que podem ser obtidas gratuitamente nos Centros de Saúde. Prepare-as de acordo com as instruções.
> Os reidratantes comerciais nem sempre são adequados para o tratamento das gastrenterites. Procure orientação com seu pediatra.
Em situações onde as soluções reidratantes mais recomendadas não estejam disponíveis, pode ser preparado o seguinte soro caseiro:
– Água: 1 litro
– Sal: 1 colher das de café
– Açúcar: 2 colheres das de sopa

As soluções reidratantes devem ser oferecidas aos poucos, com colher, segurando a criança no colo.

Os medicamentos raramente são úteis no tratamento das diarreias e podem causar complicações. A maioria dos casos de gastrenterite cura espontaneamente após cinco ou sete dias. Casos com sangramento nas fezes, febre, ou prostração devem ser avaliados pelo médico.

Se aparecerem os sinais de desidratação a criança deve ser imediatamente levada ao serviço de saúde.

Academia Brasileira de Pediatria

2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700