Bronzeamento artificial aumenta em 75% risco de câncer, diz Anvisa

O uso de máquinas de bronzeamento artificial aumenta em 75% o risco da ocorrência de câncer de pele, segundo o diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Dirceu Barbano, em audiência pública da Comissão de Seguridade Social e Família. Desde o ano passado, a Anvisa, por meio da sua resolução 56/09, proíbe o uso e a comercialização dos equipamentos de bronzeamento artificial.

Barbano acrescentou que os raios ultravioleta emitidos por essas câmaras são doze vezes mais potentes que os raios do sol. “Além de câncer, o uso prolongado das máquinas de bronzeamento pode causar queimaduras e o envelhecimento precoce da pele”, disse.

O dirigente desconsiderou a possibilidade de a Anvisa rever sua decisão e liberar o uso dos equipamentos. “Algo que gera o risco objetivo de câncer e não traz benefício algum não pode ser autorizado pelo Estado”, afirmou.

Associação contesta

O diretor da Associação Brasileira de Bronzeamento, Miguel Vietri, contestou, no entanto, as informações da Anvisa. Segundo ele, a exposição à luz emitida pelas máquinas é mais segura que o sol.

Vietri argumentou que os casos de câncer de pele se concentram no sul do País porque a população de lá tem a pele mais clara, e não em razão de os estados daquela região deterem o maior número de máquinas de bronzeamento, como argumenta a Anvisa.

Na opinião de Vietri, o aumento da expectativa de vida também explica o crescimento no número de melanomas: “O câncer de pele tende a aparecer depois dos 60 anos de idade.”

Liminar

Em São Paulo, os equipamentos de bronzeamento artificial continuam funcionando, por força de liminar obtida pelo Sindicato dos Empregadores e Profissionais Liberais em Estética e Cosmetologia do Estado (Sindetética).

A presidente do sindicato, Daniela Lopes, disse que a Anvisa deveria priorizar a fiscalização da qualidade dos filtros solares vendidos no Brasil, em vez de proibir o bronzeamento artificial.

Fonte: Agência Câmara
2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700