Atividade física na maturidade

 Em nosso país é considerado na maturidade ou terceira idade, os acima de 60 anos, diferente do resto do mundo que considera acima dos 65 anos. Do ponto de vista cardiovascular, qualquer exercício físico é útil, inúmeras pesquisas pelo mundo comprovaram que pelo menos 30 minutos por dia de atividade física leve/moderada (60 passos/minuto) na maioria dos dias da semana (quatro a cinco dias) resulta em enorme benefício para o coração, e associar fortalecimento muscular. A diminuição do risco de um ataque cardíaco se aproximou dos 35% nos praticantes regulares de exercícios físicos moderados, por cinco anos. Essa importante informação científica foi divulgada pelo Ministério da Saúde dos EUA em 1996 (NIH) fazendo com que a prática de atividade física fosse incentivada em vários países.

 

 

Uma pesquisa por mais de 20 anos, feita no HAWAÍ, com descendentes de japoneses que lá vivem, chamada de “Honolulu Heart Program” comparou idosos ativos que caminhavam 2500 metros/dia com sedentários que não passavam de 500 metros /dia, concluiu que os ativos viviam muito mais e melhor (50% menos risco de ataque cartdíaco). Desde o ano de 2000 a Federação Mundial de Cardiologia (World Heart Federation) tornou recomendação oficial estimular a atividade física simples como a caminhada acelerada para todos. Ela não exige treinamento, técnica, equipamentos ou instrutores e nós cardiologistas brasileiros passamos a seguir essa recomendação. O andar lento e regular dos idosos, mesmo os com idades acima de 80 anos, mudou completamente a qualidade e até a quantidade de vida deles.

 

 

A avaliação médica é obrigatória na maturidade e deve ser feita antes de se iniciar qualquer atividade física o que faz todo o sentido, pois tem como meta conhecer as limitações cardiovasculares, pulmonares, renais, reumatológicas e ortopédicas muito frequentes nessa faixa de idade. Assim sendo devemos incluir o eletrocardiograma, o teste ergométrico acompanhado presencialmente por cardiologista, e dosagens laboratoriais sanguíneas. Pode ser provável que não tendo fatores de risco pessoais ou antecedentes familiares e se for só caminhar (sem correr) não há necessidade de teste ergométrico, basta uma consulta especializada com eletrocardiograma e alguns exames de laboratório como para diagnóstico de Diabete, função dos rins, do fígado, da tireoide e outros que o cardiologista julgar necessário. Para os caminhantes e corredores, mais algumas recomendações gerais: escolher ar livre, lugares sombreados e arejados, longe da poluição dos escapamentos de carros etc., proteger-se do sol, usar camisetas permitam suar naturalmente, evitando a desidratação provocada por vestimentas de poliéster/nylon etc., ou ambientes ventilados com temperatura ambiente na faixa dos 220C. Nunca sair em jejum, comer fruta ou algo leve, tomar muita água aos goles, antes e durante sua caminhada ou corrida, use um calçado em bom estado e ótimo amortecedor. A mediação de rotina deve ser tomada nos horários mesmo antes dos exercícios. Lembro que se escolher a hidroginástica, sempre devem ser associados exercícios com pesos, para se evitar piora da osteoporose, frequente nessa idade e irá piorar se ficar fazendo só hidroginástica.

 

 

Lembro que os benefícios para a saúde, adquiridos na prática da atividade física, só serão mantidos caso ela seja regular e não apenas por curtos períodos. Não existe “poupança de benefícios do exercício físico” para o futuro. Hoje é consenso mundial que mesmo iniciando as atividades físicas na maturidade, os benefícios virão em pouco tempo. Não há necessidade de ‘spinning’ ou puxar ferro, e sim o fortalecimento muscular com pesos duas vezes semanais de 30 minutos que serão suficientes do ponto de vista cardiovascular a partir de 14 semanas.

 

 

ALERTA

 

 

Fuja dos suplementos proteicos, dos hormônios desnecessários que podem facilitar isto sim, o aparecimento de um Câncer, fuja da decadente ex-glamourosa medicina ortomolecular (até hoje não aceita pelas Universidades e nem reconhecida como especialidade médica pelo Conselho Federal de Medicina). Nas duvidas sobre as dezenas de anti isso ou aquilo, como o anti envelhecimento, que só faz bem a quem bolou essa nova falsa promessa, também não reconhecida oficialmente, fale com seu médico de confiança ou com o Conselho Regional de Medicina.

 

 

Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia
Colaboração: Dr. Nabil Ghorayeb
Cardiologista e médico do esporte
Doutorado FMUSP e Pós DOC IDPC-USP
Responsável Sport Check-up HCor (atletas do COB, do Santos FC, São Paulo FC e de outras equipes)
www.cardioesporte.com.br

2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700