As emoções por trás dos hábitos alimentares

Quantas vezes, após um dia ruim, você “se permitiu” se empanturrar em alguma lanchonete fast-food ou comer uma quantidade quase vergonhosa de chocolate? Isso é comum e, nessas horas, tentar perder peso se mostra um futuro caso de insucesso.

845058 sxc As emoções por trás dos hábitos alimentaresA maioria dos programas que visa à perda de peso nunca faz essas perguntas: “o quanto você acha que suas emoções atrapalham seus hábitos alimentares?” ou mesmo “você já aprendeu a lidar com suas frustrações a ponto de não considerar comer algo calórico?”

Pesquisadores da Universidade de Temple, EUA, estão tentando entender melhor essas questões. Um programa desenvolvido pela equipe de Edie Goldbacher tenta incorporar formas de lidar com o comportamento alimentar emocional de forma a melhorar os tratamentos para perda de peso.

“Mas o problema é que observamos que os sucessos conseguidos não se mantêm em longo prazo”, observa Goldbacher. “A alimentação com fundo emocional pode ser uma das razões das pessoas não conseguirem atingir metas de perda de peso.”

Um segundo grupo, entretanto, participou de programas de treinamento para ajudar a lidar melhor com as emoções de forma isolada (sem precisar de grupos de apoio) e mostrou maiores níveis de sucesso.

O programa não apenas ajuda a identificar quando se come, mas também o que induz o processo de querer comer além da conta, como frustração, tédio ou sentimentos depressivos. Dessa forma, os participantes aprendem a não ficarem reféns das emoções na hora de comer.

com informações da Temple University

2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700