Adolescente obeso: no que devemos ficar atentos?

Estamos diante de uma grande epidemia chamada obesidade. Na adolescência, vivenciam-se dificuldades para aceitar as mudanças no seu próprio corpo. Adolescentes obesos podem sofrer problemas emocionais ainda maiores, como a depressão. O suicídio é um dos caminhos encontrados para livrarem-se das humilhações. Como consequência do difícil convívio social, eles acabam com poucos amigos e evitam festas e reuniões. Muitos adolescentes buscam na comida a resposta para emoções negativas como tristeza, tédio ou raiva. Estes fatores influenciam os hábitos alimentares. A obesidade afeta 1/3 da população mundial em países desenvolvidos. Atualmente temos mais crianças obesas que desnutridas. Estudos demonstram que hábitos alimentares inadequados aliados à falta de atividade física contribuem para essa epidemia. Esses hábitos, ainda em idade precoce, provocam efeitos danosos na vida adulta. A Associação Americana de Cardiologia divulgou recentemente a importância de reduzir o consumo de açúcar, para prevenir as doenças de adultos na população infantil. Por outro lado, os alimentos mais gostosos estão sempre relacionados a um alto teor de gorduras, que dá sabor aos alimentos, contribuindo para refeições hipercalóricas. O sal em excesso também deve ser vigiado. Procure seguir a orientação do seu pediatra.

Criança saudável se transforma em adulto sem doença crônica!

Departamento Científico de Pediatria Ambulatorial

2010 / 2016 - Laboratório central | Todos os direitos reservados - SAC 37 3222-7700